sexta-feira, novembro 09, 2007

Desejos ditos ao luar.

Esperei que a Lua chegasse. A Vida e feita de esperas, encontros que o frio e insensivel Tempo teima em fazer demorar. Pobre sem sentidos, nao ve que ha coisas que o Tempo nao pode comandar? Olho o mar nao com os olhos da visao mas, com o olhar do coraçao, faço-lhe perguntas que ficam sem resposta. Vejo a Lua envolta em nevoeiro, uma bruma que nao me abandona pinta de cinzento a paisagem onde estou. Imenso contraste com o roxo da paixao que inunda o meu coraçao. E calor que sinto. Misterio sem hora, sem data, sem lugar... Misterio que se alia ao desejo de te tocar... Tocar-te, sem demora. Rasguei todas as pautas da Vida, por terra jazem folhas cuja tinta o Tempo ira apagar porque de memorias nao consegue o Amor avançar. Sem Tempo, caminho descalça, com um vazio em mim, longo e preto e o vestido que envergo, de fino e puro cetim... Solto os cabelos que ao ouvirem o som do mar, insistem em voar, quem sabe ate ti chegar, cada fio meu carece de um beijo teu... Ja nao ha passaros, o homem esqueceu-se de sonhar, ja nao dança, nao canta, perdeu o poder de encantar... Pergunto ao mar, neste imenso vazio que me cerca, como ainda me protege, nao me deixa naufragar? Perguntas que o mar me devolve, como lagrimas que ele parece rejeitar, porque o que doi, o que faz mal a Alma sem resposta e para ficar.
Lanço Sonhos a espera de um pescador de lirios roxos, solto a minha Alma no mar e vou com ela ate onde o meu coraçao mandar...

1 Comments:

Blogger efeneto said...

Venho atrazado mas não queria deixar de agradecer a sua visita ao "Almas Poética" Um espaço criado por mim onde partilho com amigos. Será sempre bem vinda. Aproveito a ocasião para a convidar a visitar o meu espaço pessoal em:
http://paginapoema.blogspot.com/
Abraço.

12:59 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home