quinta-feira, novembro 08, 2007

Maos que buscam Amor

As maos que me sustentam partiram, ja nao sinto o meu ser... Ha uma magoa que atravessa o meu Sentir. Abraços que tanta falta me fazem, beijos com o olhar, afectos por realizar, que se perderam nas sendas do tempo. Es insano, tempo que tudo pareces ceifar. Porque ceifas com a espada de dois gumes? E tao frio o teu Sentir. Devolve-me as maos que me ensinaram a caminhar depois de sorrir. De que Adianta ser Anjo se as paredes que cercam o meu ser sao um castelo abandonado, que as vezes faz os sonhos perecer? Ha um rasgo de dor que abre o negro ceu, um corvo que visita a lua sem se enamorar, arvores sem vestido caidas por terra, troncos de dor, brumas de um tempo de luta... Rasgos no Ser... Uma menina- mulher de negro vestir entra nas arcadas desse castelo abandonado onde ha muito, muito tempo, fora do tempo, morou o seu sorrir...Menina-mulher que ocultas a face, teus olhos guardam a cumplicidade dos rasgos de dor, encostas a face ao ombro que outrora sentiu abraços, recebeu dividas pagas pelo tempo, sob a forma de pequenos, anonimos mas saborosos gestos de Amor... No teu braço direito uma serpente tatua o teu Sentir, envolve-te nas teias da vida, enroscando-se em ti, proibindo-te de sorrir... Porque guardas na tua mao esquerda essa maça vermelha, suculenta, ainda por abrir?

Nao, nao esperes... Caminha que o tempo e uma lamina que te impede de brilhar, reflexo de ilusoes, enganos vaos... Frio, insensivel, passaro perdido que te rouba o sorriso... Porque vestis-te de negro tao belo e sublime Sentir? Nao sabes que a face de um Anjo deve Sempre sorrir?
Maos que o Tempo levou... Sorrisos que o Tempo mitigou... Humanos... Nao passamos de simples Humanos com gotas de Amor, alguns trazem estampado no rosto um sorriso sem autor, outros sao simples Anjos que buscam Amor...

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home