domingo, outubro 26, 2008

RAINHA, SEM TRONO

Às essências que se conhecem, tornando inevitável o encontro

Os teus pés cansados tocam o mais alto cume onde reside a beleza que só os corações puros e sublimes conseguem alcançar. Valeram todas as espadas de dois gumes que tiveste de enfrentar... Valeram todas as Luas de Outono, todos os Ventos sem dono, que de ti fizeram uma simples algibeira dos Sonhos e te coroaram Rainha... Nas tuas frágeis mãos seguras pétalas, espalhas nesse cume, diademas de Sentir... Esvoaçam pétalas nas asas de Zéfiro... É a vez do ritual começar. Cansaram-se os pés da menina e já o negro invade o branco trajar. És Mulher! Tantos anos passaram... Dualidade de Sentidos, Alma sem paz, espírito antigo das florestas, beleza desigual.

Sobes aos pícaros, atravessas o Hades. Vives na Videira que une os amantes, Almas no cárcere da paixão, mesmo depois da Morte, do Encontro final... És tu a última a tocar essa pedra fria de Sentidos, lúgubre Rainha Sem trono. Os teus encantos são ímpares... Não desistas, de nenhum fruto queiras só uma parte, ninguém vive de metades... Ouve, sente... Abraça, no teu leito de Sentidos, a música que um Anjo mesmo Negro, talvez Morfeu, deus do teu Ser, te vem dar...

2 Comments:

Blogger Véu de Maya said...

Olá papoila sonhadora!

no cume do olhar reside a beleza dos cèus e o altar dos sentidos... o poder do absoluto na imensidão da escrita... E só a entrga total
pode fazer da raínha sem trono uma essênica total e primordial...ainda não percebi se o teu ancanto pela mitologia grega é mais luz[Apolo] ou fogo[Diónisos]. belíssimo texto.

encantado.

9:44 da tarde  
Blogger Véu de Maya said...

errata:

e só a entrega total...

uma essência primordial...

se o teu encanto...

9:45 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home