segunda-feira, outubro 18, 2010

Júlia

(La línea de la vida by Jesus Lima)

“(meu velho, passeias sempre dentro de ti e ainda não conheces todos os recantos, os vales e as montanhas que te habitam, as cascatas súbitas com que te deslumbras, mas logo a aridez de um chão enorme onde nada pode nascer) ” REQUIEM PARA D. QUIXOTE, Dennis Mcshade

Sabia escrever. Escrevia destinos. Escrevia destinos como quem desenha linhas, arquitecta ruas ou costura camisolas. Entre fios de algodão, paralelos e tintas, escrevia as linhas para os outros.
Sabia escrever destinos. Escrevia muitas vezes, em muitos lugares. Às vezes via a sua escrita nos olhos passantes, dos que com ela cruzavam. Vidas inteiras, ou esquissos das mesmas, passavam, frente a frente, diante dos seus olhos.
Às vezes os olhos dos outros demoravam nos seus. Às vezes, alguns olhos pensavam morar nos dela para sempre. (para sempre é uma palavra que não existe, em todos os olhares.)
Via os destinos dos olhos, nas mãos. Via os corações dentro das camisolas, sentia cada caminho das artérias que o Ser Humano traz em si.
(para sempre é uma palavra eterna. E tudo o que é eterno foge ao Tempo.)
Não sabia escrever o seu próprio destino. Fechava os olhos e não deixava que a vissem, ninguém poderia escrever o seu destino. Escondia as suas mãos. Nunca abria o seu coração.
(para sempre é uma palavra que não existe, em todos os lugares.)
Assustava-a não saber escrever o seu próprio destino. Chamava-se Júlia e tinha uma linha descosida na palma da mão.
(para sempre é uma palavra dentro de um rio transparente, sem nome.)

1 Comments:

Blogger tati_nanda said...

lindo lindo!!
o pra sempre vive dentro de mim!!
escreves muito bem
beijinhos
http://zonzobulando.blogspot.com/

2:06 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home