terça-feira, agosto 31, 2010

Das coisas que restam

(foto by Mattijn's)

A janela
não sobrou nada:
só a ferida da memória
” Hassan Najmi

Quando eu sair, fecha-te a sete trancas porque foi tanta a intensidade de mim em ti que ainda me poderão ver. Atira a chave no alto mar, num lugar onde nenhum baptismo tenha ocorrido, apelidá-lo-emos de Lugar sem nome que é como quem diz lugar que o sol não viu e nunca a chuva acariciou. E se pensares em mim, se algum dia o compasso das saudades em ti quiser entrar: lembra-te que a culpa é do Tempo, esse velho de barbas rígidas e inóspitas, que deixou apodrecer as maçãs.

1 Comments:

Blogger Wanderley Elian Lima said...

As vezes quando alguém parte , leva tanto de nós que nos sentimos esvaziados.
Bjux

12:33 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home