quinta-feira, novembro 11, 2010

Nessa noite alguém se esqueceu de amar um anjo


"All my days I've waited for the sign
The one that brings me closer to isle of Avalon...
I can hear you, can you hear me?
I can feel you, can't you feel me?"
Isle of Avalon, Iron Maiden

Ali estava ela, tão longe de mim. Nunca o negro me envolvera tanto, não nas vestes: no corpo, no interior do meu ser, dentro do meu coração. Olhá-la era cada vez mais um beijo que os meus braços não deram: era uma ferida aberta, como um cálice, onde o sangue jorrava para um sítio em que já nada existe. Era sangue, saído de mim, sem vida.
Não a tinham enterrado ainda e eu já não a sentia, já uma parte de mim tinha morrido primeiro, de uma forma lenta e agonizante como quem prepara caminho para algo maior.
Daqui a uns anos talvez o Tempo, esse velho que tudo rouba para si, mostre que aquela morte teve sentido. Às vezes morrem pedaços de nós, em nós, para que possamos ser a pauta de uma música, ainda que esta fique a vida toda por tocar.

E hoje sei-te num mundo para lá do mar, num subterrâneo, ao lado do mundo dos vivos, que só um Anjo, vivo, com muita força consegue alcançar.

1 Comments:

Blogger Nildes Sobral said...

O que está dentro de nós não morre jamais.

Beijos.

12:15 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home